segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Adoro ler

1. Vc. deve evitar abrev., etc.
2. Desnecessário faz-se empregar estilo de escrita demasiadamente rebuscado, segundo deve ser do conhecimento inexorável dos copidesques. Tal prática advém de esmero excessivo que beira o exibicionismo narcisístico.
3. Anule aliterações altamente abusivas.
4. “não esqueça das maiúsculas”, como já dizia dona loreta, minha professora lá no colégio alexandre de gusmão, no ipiranga.
5. Evite lugares-comuns assim como o diabo foge da cruz.
6. O uso de parênteses (mesmo quando for relevante) é desnecessário.
7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.
8. Chute o balde no emprego de gíria, mesmo que sejam maneiras, tá ligado?
9. Palavras de baixo calão podem transformar seu texto numa porcaria.
10. Nunca generalize: generalizar, em todas as situações, sempre é um erro.
11. Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.
12. Não abuse das citações. Como costuma dizer meu amigo: “Quem cita os outros não tem idéias próprias”.
13. Frases incompletas podem causar.
14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez. Em outras palavras, não fique repetindo a mesma idéia.
15. Seja mais ou menos específico.
16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!
17. A voz passiva deve ser evitada.
18. Use a pontuação corretamente o ponto e a vírgula especialmente será que ninguém sabe mais usar o sinal de interrogação
19. Quem precisa de perguntas retóricas?
20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.
21. Exagerar é cem bilhões de vezes pior do que a moderação.
22. Evite mesóclises. Repita comigo: “mesóclises: evitá-las-ei!”
23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.
24. Não abuse das exclamações! Nunca! Seu texto fica horrível!
25. Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da idéia contida nelas, e, concomitantemente, por conterem mais de uma idéia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçando, desta forma, o pobre leitor a separá-la em seus componentes diversos, de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.
26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língüa portuguêza.
27. Seja incisivo e coerente, ou não.
28. Não fique escrevendo (nem falando) no gerúndio. Você vai estar deixando seu texto pobre e estar causando ambigüidade, com certeza você vai estar deixando o conteúdo esquisito, vai estar ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo. E como você vai estar lendo este texto, tenho certeza que você vai estar prestando atenção e vai estar repassando aos seus amigos, que vão estar entendendo e vão estar pensando em não estar falando desta maneira irritante.
29. Outra barbaridade que tu deves evitar chê, é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras! .. nada de mandar esse trem…vixi..entendeu bichinho?
30. Não permita que seu texto acabe por rimar, porque senão ninguém irá agüentar já que é insuportável o mesmo final escutar, o tempo todo sem parar.

Supostamente por um professor chamado João Pedro da UNICAMP

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

This is the first day of the rest of our lives

A vida é a coisa mais importante que existe.
Viva intensamente, mas com a cabeça no lugar.
Acho que não existe coisa pior que privar alguém da sua exitência. Você vai embora, nem vai sentir direito e pronto. Acabou. Pra você. Não pra quem tá perto.

Eu pretendo viver a minha vida ao lado de quem amo.
Tem tudo pra dar certo. Só falta acreditar que dá.

[Hakkyo Hoppier]

terça-feira, 30 de setembro de 2008

That's my generation

That's my generation...
I'm so fuckin' complicated, my goddess... Por que é que eu tenho que ser assim??

Coincidências?
Toda a sorte do mundo se resume a um momento: o que encontrei você...

Cansada...
you're just a fuck
i can't explain it 'cause i think you suck
im taking pride
in telling you to FUCK OFF AND DIE

Jogando pro alto
Que merda que é você gostar de alguém, ter carinho por algum amigo ou amiga que não te merece e não conseguir simplesmente give up on it.

[Hakkyo Hoppier]

START OF SOMETHING NEW

Eu tô precisando MESMO dar uma mudada na minha vida...
Mas tipo
Mudança radical, tá ligado?
Então.. só que nao fisicamente, preciso mudar minhas atitudes..
Eu tenho é que parar de me importar com o que eu gosto e ver que às vezes, a maioria das vezes, aliás, o que eu gosto é também o que me faz mal...
Eu preciso aprender a não correr mais atrás de quem não correria atrás de mim, quem obviamente não se importa com minha presença.
E nem é difícil ver quem se importa e quem não.
Mas eu não aprendo, não aprendo mesmo.
É a Hakkyo quebrando a cara desde 2006..
E não aprende nunca.
Só continua a ganhar as cicatrizes das quedas..
-.-'

[sim, é de você que eu tô falando.]
[Você que enjoou de mim e disse isso como quem diz que vai chover]

¬¬'

[Hakkyo Hoppier]

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Don't worry, be hippie!

A group of alumni, highly established in their careers, got together to visit their old university professor. The conversation soon turned into complaints about stress in work and life.

Offering his guests coffee, the professor went to the kitchen and returned with a large pot of coffee and an assortment of cups -- porcelain, plastic, glass, crystal, some plain-looking, some expensive and some exquisite -- telling them to help themselves to the coffee.

After all the students had a cup of coffee in hand, the professor said: "If you noticed, all the nice looking expensive cups were taken, leaving behind the plain and cheap ones. While it is but normal for you to want only the best for yourselves, THAT is the source of your problems and stress."

"Be assured that the cup itself adds no quality to the coffee. In most cases, it's just more expensive and in some cases even hides what we drink. What all of you really wanted was coffee, not the cup, but you consciously went for the best cups and then began eyeing each other's cups."

"Now consider this:
Life is the coffee . . . and the jobs, houses, cars, things, money and position in society are the cups. They are just tools to hold and contain life, and the type of cup we have does not define nor change the quality of life we live. Sometimes, by concentrating only on the cup, we fail to enjoy the coffee God has provided us. God brews the coffee, not the cups….”

Fonte desconhecida

Life is...

life is like a boat
life´s like a bitch

¬¬


[Hakkyo Hoppier]

Trying to understand it

;]

My head is made up of memories - I'm fuckin confused here inside...

[Hakkyo Hoppier]

SE7EN T1MES

Nascido no dia 7

Você é do tipo introspectivo, tranqüilo e analítico.
Certíssimo.
Seu objetivo é sempre a perfeição, isto é, encontrar o que há de melhor nas coisas.
Isto é, quando eu levanto pra procurar.
Você é exigente e não muito fácil de conhecer, embora seja amistoso quando conhece bem uma pessoa.
O silêncio é meu melhor amigo.
Seu interesse volta-se para o campo da ciência e do ocultismo.
Hakkyo Hoppier inteira.
Você tem qualidades mediúnicas, é sensitivo e pode seguir a sua intuição.
Nem tanto...
O difícil para você é encontrar um parceiro, pois além de não se deixar dominar, não se adapta com facilidade aos outros.
Minha relação com quase todos é muito melhor à distância mesmo.
Você terá sucesso nas atividades que exigem especialização.
Que bom.




Fonte desconhecida com comentários de Hakkyo Hoppier

Horóscopo Matinal

Como irritar um libriano...


 -Diga bastante - "Isso é com você, decida logo!"
     - 'Tanto faz", "escolhe aí" e "você é quem sabe" também contam.

-Leve-os a locais feios.
     - Fedidos, sujos ou com gente mal educada ou porca idem.

 -Aja de forma grosseira em público, tire melecas, arrote, fale palavrões, vire cerveja na mesa, chame o garçom pelo nome, peça pizza de alho e depois tente beijá-lo (a).
     - Ou seja, baixe o espírito do Shrek.

 -Critique seus parceiros. Recuse-se a debater com eles.
     - Ou o contrarie.

 -Dê para ele (a) um CD de Tiririca.
     - Calypso, Banda Eva, Restart ou Lipstick dá na mesma,

 -Faça piadinhas do tipo - "com esse vestido voce fica parecendo a garota
propaganda da Ultragaz".
     - "Você tá gorda", "adoreeeei sua torta de maçã" ou "aquela loira ali é mó gostosa" surtem o mesmo efeito.


Fonte desconhecida

terça-feira, 16 de setembro de 2008

At times like these

Summer has came and passed..
Wake me up when this shit reaches the end.

[Hakkyo Hoppier]

Sobre o Tempo

Não existe hora certa ou errada pra algo acontecer. Só depende de como você aproveita o momento.

[Hakkyo Hoppier]

Like Jack Sparrow says...

I love those moments...
I like to wave at them as they pass by...

[Johnny Depp em Piratas no Caribe]

My stuff...

Life!

Hope!

Truth!

Trust!

Faith!

Pride!

Love!


Lust!

Pain!

Hate!

Lies!


Guilt!


Laugh!

Cry!

Live!

Die!





[Good Charlotte]

domingo, 7 de setembro de 2008

Conversando comigo mesma.

Me ame, me odeie, me adore, me despreze, eu não ligo.
Me idolatre, morra por mim, chore por mim, ria de mim.
Fale o quanto quiser de mim, me difame, me divulgue.

Eu não me importo

Faça o que quiser, pense em mim, me inveje, corrompa minha reputação.
Diga o que vier à mente, me ame platonicamente, me deseje pra sempre.
Sonhe comigo quantas vezes quiser, pode até ser pesadelo, se preferir.
Pois eu não dou a mínima.
Crie expectativas, continue me amando ou odiando, tanto faz, não me afeta.
Tente estragar minha vida, tente arruinar a sua, simplesmente por mim.
Me esqueça, ou não permita que eu fuja dos seus pensamentos.
Só não quero que venha me perturbar com suas ladainhas sem sentido.
Pois você já não tem importância pra mim.

It's personal, between me and myself

Her name is Haushinka, she's just a girl with an unknown way to path. She's a girl who doesn't know what to choose, what to do, what to feel, what to say.
Haushinka is a girl who loves to live her life to the extreme, she doesn't care about anything but herself, and she's right. Because that's the only way to be happy. You can't keep yourself from your feelings just because you don't want to hurt someone else. Haushinka knows that. That's why she's happy.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Lições II

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

[Hakkyo Hoppier]

Lições I

Eu aprendi...
...que ignorar os fatos não os altera;
Eu aprendi...
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;
Eu aprendi...
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;
Eu aprendi...
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;
Eu aprendi...
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;
Eu aprendi...
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.
Eu aprendi...
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;
Eu aprendi...
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;
Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;
Eu aprendi...
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.
(Boa noite , Amor )
William Shakespeare

Fragmentos. [Parte III]

Ela cansou. Cansou de viver num mundo de falsidades, de superficialidade, cansou de viver num mundo de aparências. Viver nesse mundo nunca fora uma idéia que a agradasse, mas ela era obrigada, ou ao menos, se sentia obrigada, a viver nesse mundo, a tolerar todo e qualquer tipo de mentiras, hipocrisias. Mas ela agora estava decidida. Não fingiria mais ser quem não era, se é que um dia o fez.

[Hakkyo Hoppier]

domingo, 24 de agosto de 2008

Paciência

“Há tempo de plantar, e tempo de colher”, diz Salomão no Eclesiastes.
Existem momentos em que o guerreiro desembainha sua espada e parte para o combate. Mas existem momentos em que é preciso ter paciência.
Sentar. Relaxar. Rezar. As coisas virão no seu devido tempo - não se preocupe.
Não adianta ficar andando de um lado para o outro. Não adianta parecer ocupado, ou iludir-se com a sensação de que está fazendo alguma coisa. Não adianta forçar um aprendizado novo.
No intervalo entre um combate e outro, o guerreiro fuma seu cachimbo e espera. Se não agir assim, seus olhos não poderão enxergar os sinais de Deus. E todas os mapas capazes de guiar seus passos podem passar despercebidos.


[Texto por Paulo Coelho]

Thinking about loving you...

"Há quatro perguntas de valor na vida ...

O que é sagrado?
De que é feito o espírito?
O que é importante na vida, e por que vale a pena morrer?


 A resposta para cada uma é o mesmo.
Apenas amor".

[Johnny Depp em Don Juan de Marco]

Dias e dias

A imperfeição pode ser um indício da busca pela perfeição...

Mas também pode ser um sinal de mero descaso.

[Hakkyo Hoppier]

sábado, 23 de agosto de 2008

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Fragmentos. [Parte II]

Ela mudou. Não se sabe se pra melhor ou não, mas mudou. Ela não é mais aquela menina comum que era antes, não se sentia mais como se sentia antes. Nem ao menos se importava com o passado. Só queria viver o presente. Pra ela, era só isso o que importava. Viver o agora, esquecer as consequências e todo o resto. Ela só queria ser ela mesma, ser livre, inconsequente. Imatura, feliz.
Ela tinha certeza que acabaria gerando problemas, se não pra ela, pra quem estava ao seu redor, mas ela não se importava. Nada poderia ser pior que ser controlada, presa, ser infeliz. E ela sabia bem disso. Não queria ver ninguém sofrendo, mas assim é a vida, pensava ela. Todos devem sofrer alguma vez na vida, pois pra aprender é preciso cair, e quando se cai, feridas e cicatrizes aparecem. Só temos que aprender a levantar e perceber que a dor é inexistente. Só pensamos que está ali porque queremos que ela esteja ali. Ela acreditava piamente nisso. Para ser feliz bastava querer. Acreditar.
Ela só não sabia se isso seria simples como parecia. Claro que não era o que ela esperava, pois um caminho reto e sem obstáculos não tem graça e logo chega ao fim. Mas ela iria trilhar com atenção esse caminho, mesmo fosse perigoso, cheio de problemas e desvios, quer fosse simples ou quase impossível.
Só o que importava era curtir o momento.

CARPE DIEM

[Hakkyo Hoppier]

sábado, 9 de agosto de 2008

Fragmentos. [parte I]

Ela tinha tudo. E ao mesmo tempo não tinha nada. Queria jogar tudo o que tinha pela janela, queria fugir, queria escapar de tudo isso, fazer voltar a ser como era. Mas ela sabia, era impossível. Nada seria como um dia fora. Por mais que ela quisesse. Tudo havia mudado e ela nem ao menos se dera conta do que houve, sentia como se tivesse se ausentado de sua própria vida por um longo tempo. Não era mais capaz de se reconhecer, suas atitudes, seus pensamentos e até seus sentimentos eram diferentes, repulsivos. Se sentia perdida em seu próprio mundo, confusa, rejeitada por si mesma.
Quando parou para observar, viu que ninguém ao seu redor valia a pena, nada nem ninguém fazia diferença em sua vida. Os poucos que ela julgava insubstituíveis agora haviam se afastado, ela não sabia se fora ela mesma que os repelira ou se foram eles que mostraram como realmente são. Sentia um mal estar crescendo, estava cansada, atordoada, só queria descansar e esquecer tudo isso, para então voltar e perceber que aquilo talvez não passasse de um sonho. Um pesadelo.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Devaneios sobre o hoje

Dizem por aí que o mundo pertence aos individualistas, mas não gosto de pensar que isso é verdade.
sabe duma coisa? Eu vi um filme. (uaaaau!)
Chama-se Natureza Selvagem... No final ele tem uma ótima lição de moral... Mostra que pra ser feliz, você precisa dividir essa felicidade com alguém... Não dá pra ser feliz sozinho, mesmo que grande parte das pessoas de hoje estejam se afastando umas das outras, sendo mais independentes, ficando mais sozinhas, elas não são felizes, porque não têm ninguém com quem compartilhar suas vitórias, seus sucessos, sua felicidade. No máximo, existe aquela coisa vaga da galera do trabalho, ou do clube, sair pra beber num barzinho vez ou outra, falando mal do chefe ou daquele playboyzinho rico.. Não gosto de pensar que eles são vazios... Prefiro pensar no quanto eu sou completa, o quanto sou feliz por ser quem sou, o quanto gosto de fazer as coisas que faço e do meu jeito.
Eu tava reparando dia desses... Eu estou cada dia mais só. Tipo, eu nunca tive muitos amigos, mas tinha sempre uns tantos com quem eu podia contar.. Ou pelo menos eu achava que podia... Daí eu mudei de casa, depois mudei de colégio e pouquíssimos restam. Eu sempre achei e sempre me disseram que não seriam esses dois minimos fatores que me distanciariam dos meus amigos. Mas era mentira. não só me distanciou da maioria, como também gerou atritos com outros. Eu até agora fico indignada com isso. Pessoas com quem eu acreditava que houvesse amizade pura e verdadeira me deixaram simplesmente por eu não estar mais no mesmo ambiente que elas. Pra ser sincera, hoje, só existem quatro pessoas com quem eu posso realmente contar, mas às vezes ainda fico na dúvida com uma ou duas. e mesmo assim, duas dessas pessoas só posso ver uma vez por ano.
Quando eu vejo que há reciprocidade, eu corro atrás, eu ligo, pergunto, deixo recados, me preocupo. Mas se eu percebo que só eu faço isso, imediatamente paro. O mais engraçado é que pouco tempo depois que eu 'desapareço', várias pessoas me ligam perguntando o que aconteceu. Não perguntam se estou bem porque se preocupam comigo, mas pelo simples fato de que eu parei de 'puxar o saco' deles... Esse pode ser considerado até um defeito meu. Eu me preocupo demais com quem não esta nem aí, corro muito atrás de quem não se importa, de quem só percebe quando vê que o celular não toca mais.
Ontem eu vi um post sobre estar sozinho. Hoje há cada vez mais pessoas que se sentem sozinhas no mundo. Acho isso bizarro. Ninguém se preocupa em dar atenção àquela moça triste que divide o banco do ônibus com você. Ninguém se preocupa em ajudar, pode ser que tudo o que essa moça precisava era uma palavra, um simples 'tudo vai ficar bem, não se preocupe', mas não. É demais pra você. É demais pra mim. Não podemos fazer isso. Se o cara do outro banco não fez o mesmo, por que eu faria? Se ele não faz, eu não faço. Isso afasta as pessoas. Se fosse a vinte anos atrás, acredito que haveria, sim, algum ombro amigo praquela moça. Haveria alguém que tirasse dali aquele cachorro faminto, exposto como obra de arte. Se fosse antes, alguém o tiraria dali. Hoje, uns acham lindo e criativo, enquanto outros apenas acham um absurdo, mas ninguém o tira dali. A única coisa que muda entre esses dois grupos são as palavras que dizem enquanto o observam morrer. Assim, as pessoas se conformam que não podem fazer nada, que não têm voz ativa, e se distanciam cada vez mais, deixam de viver neste mundo pra viver em seus próprios mundos, onde só existe ela mesma e seu umbigo.

[Hakkyo Hoppier]

terça-feira, 6 de maio de 2008

Soda Cáustica

Por que é que tem que ser assim?? Por que eu sempre tenho que fazer alguma merda sem perceber?? Por que? Por que eu sou tão inconseqüente? Por que eu sempre digo ou faço algo que ofende alguém e não percebo isso? O porquê disso eu realmente não sei, mas eu sei que isso faz crescer um ‘autodesprezo’ em mim... Faz-me querer sumir, me faz querer mudar. Mas quanto mais me preocupo em medir minhas atitudes, mais eu faço coisas que não deveria. Pior é quando eu não sei o que é. Fico me martirizando por algo que não tenho conhecimento, por algo que eu sei que não deveria ter feito, algum ato impensado, imprudente. E isso machuca, não só à pessoa com quem eu agi mal, mas a também a mim. Eu sei que tenho defeitos, sou explosiva, sou infantil às vezes, chego a ser arrogante outras vezes, sem nem ao menos perceber, mas o meu pior defeito é ser impulsiva. Agir sem pensar, falar sem prever a reação dos outros... Mas depois de tantas brigas e discussões por culpa disso, eu percebi que mudei um pouco. Se me consideram impulsiva hoje, que não tentem imaginar alguns anos atrás. Isso eu notei mesmo. Mesmo que eu esteja mudando aos poucos, estou mudando, quero ser alguém melhor, quero ser importante para alguém, quero me sentir útil, mas infelizmente eu não mudei o suficiente ainda. Continuo magoando as pessoas, inconscientemente. E isso me corrói por dentro, como soda cáustica faria, ou pior. E não vejo solução.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

O Vazio

Às vezes nos sentimos sozinhos, abandonados, rejeitados... Sentimos falta de carinho, de amigos, da nossa família... alguns chegam a chorar por solidão e sofrem com depressão. Passam anos se drogando com calmantes, gastam fortunas com terapias, tentam suprir essa falta com seus poodles cor-de-rosa e acabam nunca preenchendo essa terrível sensação que é o vazio.

E isso é mais comum do que parece.

[Hakkyo Hoppier]

terça-feira, 8 de abril de 2008

Composição poética.

Leia-se 'tentativa frustrada de poema surreal'

Mente. Composição de absurdos esdrúxulos que se atiçam à medida do possível.
Sentidos. Sem sentido. Com apenas um movimento, loucamente intenso.
Não quero saber disso, é apenas algo ritmado. Minuciosamente acompanhado por um entardecer controlado, apaziguado por momentos nostálgicos e ignorados.
Um relance de abstracionismo, munido de contas cômicas e um tanto alaranjadas.
Romances coloridos, altos, circulares. Esses caem em um ostracismo comum ao ego humano atual, fazendo com que o que é mero tédio se transforme em acasos famintos de incompreensão imediata.
Portanto as imagens consertadas não se fazem passar por geopolítica mundial, nem mesmo costumam querer esperar, curiosas, por satifação. Repletas de beijos pensativos, que passam pelas ruas amargas deste espetáculo que é a vida, ficam a imaginar se ouviriam os meses dizendo os disparates usuais, assim como eram as pinturas no início do inverno. A música, inconsolável, imprudente, quer encontrar algo mais seco, mais tinto, mais vinho, mas infelizmente só o que a consome é o cúmulo da esperteza animal instintiva, feliz por corroer também aos sapatos velhos no fundo do armário.

[Hakkyo Hoppier]

quarta-feira, 2 de abril de 2008

Coisa de Zodíaco...?

Hoje eu acordei e me lembrei de você,
Me perguntei se poderia te ver.
Quis saber se pensando em você
Eu faria você lembrar de mim também...

[Hakkyo Hoppier]

quinta-feira, 27 de março de 2008

quarta-feira, 19 de março de 2008

A grama do vizinho é sempre mais verde

Eu não acredito nisso. Aliás, discordo plenamente. Eu olho pro meu jardim, lindo, perfeito, e me pergunto quem foi o idiota rancoroso e invejoso que inventou essa frase, e por que sempre tem alguém pra repeti-la apenas da boca pra fora.

Eu olho pro meu jardim e vejo que as flores mais belas que eu poderia encontrar em toda a minha vida florescem ali, debaixo da minha janela. Vejo que para se valorizar são necessários muitos dias regando e adubando, pra poder nascer ali a mais perfeita flor, a flor que te faz olhar o mundo com outros olhos, a flor cujo perfume é inesquecível, a flor que te faz viver. Percebo que não existe perfeição maior que aquela que há dentro de si mesmo, que não adianta gastar seu tempo pra invejar o jardim colorido dos outros, porque assim, não sobra tempo pra você cuidar do seu próprio jardim e fazer aquelas lindas pétalas surgirem em sua vida.

Eu olho pro meu jardim e o contemplo, agradeço pela paciência que tive para cuidar dele, admiro-o, observo-o e assim vejo que realmente, a grama do vizinho NUNCA é mais verde que a sua. É apenas uma questão de perspectiva e amor-próprio.

[Hakkyo Hoppier]

terça-feira, 11 de março de 2008

Amor... O que é o amor?

Amor... O que é o amor? Seria um simples sentimento de atração entre duas pessoas? Afeto? Sentimento de proteção? Quem sabe uma mescla de amizade e desejo? Seria o sentimento de importar-se com a outra pessoa? Ou um sinônimo de paixão? Seria um sentimento tão profundo que só se sente uma vez na vida? Seria algo tão importante e confuso que devemos ter absoluta certeza do que é antes de dizer? Seria apenas outro sentimento qualquer, que nos faz chorar, ou às vezes sonhar? Seria o que faz as pessoas brigarem? Ou seria justamente o que as une? Será que amar é possível para qualquer um? Será que aquele que diz "eu te amo" superfluamente é capaz de amar? Seria mesmo o amor algo tão complexo que por isso ninguém até hoje conseguiu entendê-lo? Será que todos podem amar? Ou será tão difícil que poucas pessoas conseguem? Afinal, o que é o amor? Talvez apenas outra simples palavra de quatro letras, como ódio ou medo? Seria o mesmo que gostar? Será que realmente amamos aqueles de quem sentimos saudade? Será mesmo que não amamos de verdade se essa saudade for ausente? Será que aquele que se menospreza é capaz de amar? Como alguém seria capaz de amar outro, se nem a si mesmo ama? Teria eu, ou qualquer outro, essa capacidade de amar? Quem sabe o amor foi algo inventado apenas para substituir, ou mesmo resumir o sentimento de querer ser exatamente igual à outra pessoa? Seria amar, aceitar os defeitos alheios, ou admirar suas qualidades? Seria o amor um espelho de si mesmo? Ou será que o amor é algo inventado apenas para servir como desculpa para alimentar o desejo? Se o amor é algo tão profundo, por que tantas pessoas, que dizem ter finalmente encontrado seu verdadeiro amor, se separam pouco tempo depois? Se o amor é mesmo algo tão mágico, por que existem tantas brigas entre os que dizem se amar? Seria o amor algo inventado pelos homens? Ou será que o amor sempre existiu na Natureza? Seria o amor algo realmente tão bom? O que é o amor? Amor...

[Hakkyo Hoppier]

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Esses dias...

Sabe esses dias em que você fica ansioso por nada? Esses dias que você fica pilhado mas nem sabe porque? Sente como se algo importante fosse acontecer... Eu defino esses dias como 'dias preliminares'. São os dias que vêm antes de algo realmente marcante acontecer. Os dias preliminares costumam se arrastar pra passar, e junto com eles, vem uma boa quantidade de tédio e falta do que fazer. Mas quando os dias preliminares passam, você se sente renovado, alegre, agitado, feliz... E então finalmente você entende o motivo dos dias preliminares...

[Hakkyo Hoppier]

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Boulevard Of Broken Dreams


Ele havia passado dos limites. Bati a porta e segui correndo, sem destino. Tudo o que eu queria era esquecer. Não sei quanto tempo se passou, nem quanto eu andei, mas acabei chegando numa avenida. Vazia. Sozinha. Perfeita. Eu sabia que agora já não podia voltar pra casa, então segui andando.

[I walk a lonely road]
[The only one that I have ever known]
[Don’t know where it goes]
[But it’s home to me and I walk alone]


Tudo o que eu queria, a única coisa que eu desejava era justamente o que eu não tive. Sempre sonhei com meu garoto punk. Pensei tê-lo encontrado. Era ele. Podia não ser garoto punk, mas ao menos era meu. Eu olhava em volta. Nenhuma luz acesa. Apenas as estrelas iluminavam meu caminho.

[I walk this empty street]
[On the Boulevard of Broken Dreams]
[Where the city sleeps]
[And I’m the only one and I walk alone]
[I walk alone]


Eu andava sozinha. Sozinha e sem destino. Desolada.

[I walk alone]

Quem poderia imaginar? Após anos de confidências, de amizade, após tantos anos de confiança, quem diria que você poderia fazer isso comigo?

[I walk alone]

Pensamentos começaram a fluir, imagens e lembranças invadindo minha mente.

[I walka’]

Mas tudo o que eu queria era você. Era ter você ao meu lado. Era sentir o vento gelado no rosto, enquanto segurava sua mão. Eu só queria você.

[My shadow’s the only one that walks beside me]
[My shallow heart’s the only thing that’s beating]
[Sometimes I wish someone out there will find me]
[Til then I walk alone]


Ah, mas nesse momento isso não tinha valor algum...
Ah, de que adiantava querer, se eu não podia ter?
Ah, de que valia ter você, se eu já não podia confiar em você?
Ah, isso também não tem sentido algum.

[Ah- ah... Ah-ah...]
[Ah- ah... Ah-ah...]
[Ah- ah... Ah-ah...]
[Ah- ah...]


Se fizesse sentido… Se eu soubesse a resposta para meus tantos porquês... Se eu o entendesse. Pois isso me parte em dois. Uma parte ainda o deseja, ainda o quer, ainda o ama.
A outra parte mal agüentava vê-lo. Não suportava senti-lo, quanto mais perdoá-lo.

[I’m walking down the line]
[That divides me somewhere in my mind]
[On the border line of the edge]
[And where I walk alone]


Eu devia ter percebido logo. Era tão óbvio! Você já não me olhava com carinho, já não me tinha como amiga, às vezes nem olhava pra mim. Eu devia ter percebido. Podia parecer que estava tudo bem, mas não estava. Tudo o que eu queria agora era que você me notasse, notasse que eu ainda estou aqui.

[Read between the lines]
[What’s fucked up]
[And everything’s alright]
[Check my vital signs]
[To know I’m still alive]


Mas eu sei que isso não vai acontecer então eu só continuo a andar.

[And I walk alone]
[I walk alone]
[I walk alone]


Sem rumo ou direção continuo a andar, apenas ando sozinha no escuro da avenida.

[I walk alone]
[I walka’]


Oh, céus, como eu não queria estar sozinha aqui, como eu queria estar com você, ouvir sua voz, sentir seus braços ao meu redor, dizendo que me ama e que tudo não passou de um mal-entendido...

[My shadow’s the only one that walks beside me]
[My shallow heart’s the only thing that’s beating]
[Sometimes I wish someone out there will find me]
[Til then I walk alone]


Tudo o que queria era que nada tivesse acontecido...
Ah, se eu pudesse fazer o tempo voltar...
Ah, se eu conseguisse esquecer, fingir que nada aconteceu...
Ah, foram tantos momentos, tantas lembranças...
Ah, se eu pudesse tê-los de volta...

[Ah- ah... Ah-ah...]
[Ah- ah... Ah-ah...]
[Ah- ah... Ah-ah...]


Mas só o que eu posso fazer é andar.

[I walk alone and I walka’]

Eu não conseguia entender… Por que ele havia feito isso comigo? Será que não o amava o suficiente? Claro que amava! Ele era tudo pra mim e ele sabia disso! Ele era meu mundo, e esse mesmo mundo, agora fora jogado no chão e estava despedaçado. Ele não precisava ter feito isso comigo, não assim...

[I walk this empty street]
[On the Boulevard of Broken Dreams]
[Where the city sleeps]
[And I’m the only one and I walka’]



Era ele quem estava sempre nos meus sonhos, e agora era ele também que havia destruído esses sonhos... Era ele quem eu amava e quem fazia minha vida valer a pena... E agora eu não tinha mais razões pra viver.

[My shadow’s the only one that walks beside me]
[My shallow heart’s the only thing that’s beating]
[Sometime I wish someone out there will find me]
[Til then I walk alone!]

[Hakkyo Hoppier]

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Ansiedade

 
Ela caiu. Caiu em pedaços, mil pedaços. Pedaços esses que vieram de um coração despedaçado. Primeiro, seu coração fora apertado e torcido, depois fora retorcido e estraçalhado, quando soube que ele não mais a queria. Se é que um dia chegou a querer. Ficou desolada quando descobriu que não faria sentido algum, que sua presença seria insignificante e que somente estaria desperdiçando seu tempo. Ela realmente não estava feliz e, quando mais precisou, não ouviu as palavras amigas que queria, não deram valor aos seus sentimentos. Seu coração estava agora lutando contra sua mente, lutando para bater uma vez mais. Cada batida era uma disputa contra os sentimentos e pensamentos mais repulsivos, que insitiam em apertar, destroçar, despedaçar e machucar ao máximo seu coração.
Ela sangrava. sangrava por dentro, sem saber o que fazer, sem idéia de solução. Ela só queria esquecer, não pensar mais nisso, tudo o que ela queria era esquecer, fingir que nada havia acontecido, mas não era possível, não era possível e ela sabia. Acontecera. Fora terrível. E agora ela já não sabia o que fazer. Tudo em sua mente girava, ela não sabia o que fazer. Não sabia se gritava ou se chorava, não conseguia pensar ou respirar, apenas lembrava, e por isso não conseguia viver.
Então ela parou. Parou. Sim, ela parou. Ela parou e simplesmente fechou os olhos. A princípio, um turbilhão de imagens, vozes, palavras e pensamentos invadiam sua mente, mas tudo isso foi sumindo aos poucos, sumindo e dando lugar ao vazio, até que ela já não pensava em nada. Esses pensamentos sumiram simplesmente porque ela quis, porque ela estava cansada deles, não aguentava mais. Ela ficou assim, com a mente vazia e os olhos fechados por alguns instantes. Instantes. Instantes que lhe pareceram horas, horas que ela preferia que nunca acabassem.
Então seus pensamentos de repente voltaram a fluir, só que agora ela estava mais calma, calma o suficiente para decidir e perceber que ela deveria apenas juntar os inúmeros pedaços de seu coração e guardá-los, pois aos poucos ele iria se recompor e um dia, quem sabe, apareceria alguém capaz de curar todas as cicatrizes e devolver a vida ao seu coração.
Ela recostou-se e, fitando o teto escuro de seu quarto, ela caiu num sono tranquilo e fez algo que não fazia já há algum tempo.
Ela sonhou.

[Hakkyo Hoppier]